terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Turma da Mônica - Datas Comemorativas: Carnaval



A história do Carnaval

O carnaval é uma festa popular muito antiga e, por isso, não se sabe a origem exata dessa comemoração. O que se sabe é que está sendo transmitido de geração a geração há muitos anos, como uma tradição. É considerado também uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. Tem sua origem no entrudo, trazido pelos portugueses ao Brasil por volta de 1750. As pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. A palavra entrudo vem do latim e significa entrada, pois a comemoração começa na entrada ( início ) da Quaresma. Tinha, portanto, um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece até os dias de hoje no Carnaval.
Lista de palavras relacionadas:
pandeiro, bateria, fantasias, carnaval, samba, desfile, marchinhas, máscaras, serpentina, confete, trio elétrco, foliões
Marchinhas de carnaval

A marcha de carnaval, também conhecida como "marchinha" é um gênero demúsica popular que esteve no crnaval dos brasileiros dos aos 20 aos anos 60 do séculos XX, altura que começos a ser substituída pelo samba enredo. Descende das marchas populares portuguesas.

As nossas marchinhas brasileiras surgiu no Rio de Janeiro, com as composições de Eduardo Souto, Freire Júnior e Sinhô e atingiu o apogeu com intérpretes como Carmem Miranda, Almirante, Mário Reis, Dalva de Oliveira, Silvio Caldas, entre outros.


Abre Alas
Composição: by Chiquinha Gonzaga

Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar
A Jardineira
Composição: by Benedito Lacerda-Humberto Porto
Ó jardineira porque estás tão triste
Mas o que foi que te aconteceu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu

Vem jardineira, vem meu amor
Não fiques triste que este mundo é todo seu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu.

Mamãe Eu Quero
Composição: by Marcha De Jararaca E V. Paiva
Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar!
Dá a chupeta, dá a chupeta, ai, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar!

Dorme filhinho do meu coração
Pega a mamadeira em vem entra no meu cordão
Eu tenho uma irmã que se chama Ana
De piscar o olho já ficou sem a pestana

Eu olho as pequenas, mas daquele jeito
E tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que é fenomenal
Ela é da bossa e o marido é um boçal.

Coração Corinthiano

Doutor, eu não me engano,
Meu coração é corinthiano
Doutor, eu não me engano,
Meu coração é corinthiano
Eu não sabia mais o que fazer
Troquei um coração cansado de sofrer!
Ah! Doutor, eu não me engano,
Botaram Outro Coração Corinthiano!

Um comentário:

Adriana Aparecida disse...

Parabéns!!!!
Cantinho do Educador é um blog bastante organizado e diversificado que ajuda muito o educador.

Uma frase

O verdadeiro mestre ama o que faz. Por Elisabete Souto Barbosa

VÍDEOS INTERESSANTES

Cantinho dos autores - Breve histórico

Maurício de Sousa, O pai da Turma da Mônica

Maurício de Sousa nasceu no Brasil, numa pequena cidade do estado de São Paulo, chamada Santa Isabel. Foi em outubro de 1935.
Seu pai era o poeta e barbeiro Antônio Maurício de Sousa. A mãe, Petronilha Araújo de Sousa, poetisa. Além de Mauricio, o casal teve mais três filhos: Mariza (já falecida), Maura e Márcio.
Em 1959, Maurício criou uma série de tiras em quadrinhos com um cãozinho e seu dono Bidu e Franjinha e ofereceu o material para os redatores da Folha. As historietas foram aceitas, o jornalismo perdeu um repórter policial e ganhou um desenhista.
Nos anos seguintes, ele criaria outras tiras de jornal Cebolinha, Piteco, Chico Bento, Penadinho e páginas tipo tablóide para publicação semanal - Horácio, Raposão, Astronauta - que invadiram dezenas de publicações durante 10 anos.
Daí chegou o tempo das revistas de banca. Foi em 1970, quando Mônica foi lançada já com tiragem de 200 mil exemplares. Foi seguida, dois anos depois, pela revista Cebolinha e nos anos seguintes pelas publicações do Chico Bento, Cascão, Magali, Pelezinho e outras.
Seus trabalhos começaram a ser conhecidos no exterior e em diversos países surgiram revistas com a Turma da Mônica.
Fonte de Pesquisa: http://www.turmadamonica.com.br/